Uma lua no céu, 10 pãezinhos na mesa pt. 2

Agora você acompanha  a segunda parte da entrevista que o Maodita fez com os gêmeos quadrinistas Fábio Moon e Gabriel Bá.

Música, Milton Hatoum e curta-metragens

A obra de vocês também dialoga com a literatura nacional, não só na adaptação de O Alienista, mas também com nomes de personagens (em Daytripper, o protagonista se chama Brás e o seu cachorro, Dante) e situações. Qual o livro favorito de cada um de vocês e qual o último que vocês leram?
Fábio Moon – Capitães de Areia do Jorge Amado foi um livro que nos marcou muito porque lemos quando éramos jovens. Grande Sertões Veredas é excepcional, se você consegue terminar. Porque é um livro que não tem quebra de capítulos. O livro é fenomenal e poético. Atualmente, não é porque estamos em Manaus, mas estamos lendo o Milton Hatoum. Ele escreve de um jeito que quem lê deseja conhecer o Amazonas, cria uma Manaus que dá vontade de descobrir. Talvez seja uma Manaus que não exista mais, mas que é uma cidade que seduz porque foge do clichê dos índios e floresta. É tudo tão misturado com o dia-a-dia e ele escreve tão bem! Bom, os últimos livros que eu li fazem parte da série Amores Expressos (projeto da Cia. Das Letras). Já li o do João Paulo Cuenca que se chama “O único final feliz para uma história de amor é um acidente” e o outro foi o “Do Fundo do Poço se vê a lua”, do Joca Reiners Terron.
Gabriel Bá – O último livro que eu li foi o do Cuenca também.

Como foi o contato com a obra do Milton Hatoum?
FM – Completamente por acidente. Eu li “Dois Irmãos” após ler uma crítica, vi que falava sobre irmãos gêmeos e aí resolvi ler. Foi bem por acidente. Depois li o “Orfãos do Eldorado”. Agora eu tô lendo “Cinzas do Norte” e o Bá ganhou o Relato de um certo oriente”. Nos cruzamos com o Miltom na Flip um ano, nós éramos convidados e ele também. Estávamos tomando café…
GB – Foi emocionante!
FM – Aí “Olha, é o Milton Hatoum…” fomos lá falar com ele. Ganhei Dois irmãos, mó legal.

A obra de vocês costuma ter uma sensibilidade que os diferenciaram da maioria dos quadrinistas consagrados. Como é que foi pra desenvolver essa sensiblidade num mercado dominado por histórias de super heróis?
GB – Acho que foi prática. Vejo vários trabalhos novos, de autores que estão começando e eu penso “olha esse cara pode fazer algo bom, só está meio cru”. Como o processo de fazer história em quadrinhos é demorado, as pessoas acabam fazendo histórias curtas e tem gente que nunca sai disso. As histórias curtas têm um limite que é difícil de aprofundar. À medida que você vai evoluindo, consegue afinar o seu jeito de tratar dos assuntos, colocar mais camadas. É prática.
FM – Há também o quanto você gosta de ler. Quadrinhos, em geral, são mais chapados… não é que sejam superficiais, mas não tem tantas camadas assim. Poucos são os quadrinhos que tem essa camada toda. Tem gente que gosta de ler quadrinhos e acaba se influenciando muito por isso. É preciso procurar outras formas de história, outras influências na literatura, cinema e artes e misturar.  Se não, fica tudo muito chapado.

GB – Acho que é isso. É prática, muita prática. Não adianta você ver muitos filmes e ler muitos livros se não desenhar, escrever. É que nem o futebol. Você tem que jogar muito para ser bom. Tem uma parte de habilidade, mas tem muito treino. Em qualquer outra profissão é assim. Se você não praticar muito, vai de “bubuia”. Mas a nossa idéia não é ir de bubuia no rio, até porque os quadrinhos são um deserto. Nada vai para lugar nenhum se você não fizer movimento.

E música, do que vocês gostam e o que andam ouvindo ultimamente?
GB – Olha música vai sumindo das histórias, porque a gente vai ficando velho e não vai mais para balada ou para show (risos).
FM – É muito diverso e abstrato. Porque eu, por exemplo, sou péssimo para nome de música. Eu adoro samba, mas eu não lembro o nome da música, o nome de quem fez…
GB – De quem canta!
FM – Gosto muito de Cartola, de sambas antigos. Mas ao mesmo tempo tem pouquíssimo samba nas minhas histórias. Eu gosto de dançar, gosto de ritmos como tango, rock dos anos 50, mas não tenho costume de ouvir isso enquanto estou trabalhando, não fico correndo atrás de discos.
GB – A parte triste da nossa vida de quadrinista é que trabalhamos muito. Nós não ouvimos música enquanto trabalhamos. Porque se você está ouvindo música, você presta atenção na letra e precisamos estar muito concentrados durante o trabalho. E nós conversamos sobre a história enquanto trabalhamos, um pede a opinião do outro. Tem a diferença de gosto, eu gosto muito de rock, e o Fábio acha que é muito barulhento. Então é melhor não ouvir música.

Como é feita a divisão de trabalho de vocês? 
FM – Pensamos na ideia juntos, já que quadrinhos demora muito para fazer. Tem que ser uma ideia que os dois gostem para fazermos juntos e desenvolvermos a história, roteiro. Depois decidimos quem vai desenhar, que pode ser quem tem o estilo que combina mais ou quem tem mais tempo. Por exemplo, no Alienista, como eu tinha mais tempo, fui eu que desenhei mais porque o Bá estava fazendo o Casanova.
GB – Ou às vezes o projeto é grande e outro tem que fazer o próximo. Pode ser qualquer coisa. Geralmente temos que decidir qual que vamos desenhar porque poucas são as histórias que tem…
FM – Uma estrutura que caiba os dois estilos diferentes.
GB – Por exemplo, se contar o passado e o presente…
FM – Se não destoa. Colocar  dois estilos diferentes só porque os dois querem desenhar é frescura. Eu, como leitor de quadrinhos, quando mudava o desenhista de uma história de super-herói eu achava estranho, então tem que ter um motivo para mudar esse estilo. Se não tem, nós evitamos mudar ao longo da história.

Vocês gostam de cinema? Ele influencia o trabalho de vocês?
FM – Sim, cinema e literatura são mais referências do que quadrinhos.
GB – Acho que existem histórias muitos boas nos livros e muito bem contadas visualmente nos cinemas. É possível contar boas histórias nos quadrinhos com os dois fatores. Também é possível contar histórias melhores nos quadrinhos. O cinema trabalha muito bem o lado visual e por isso nos influencia muito mais no lado artístico do que os quadrinhos.

Vocês já flertaram com a produção  audiovisual nos curta-metragens “Como se nunca tivesse existido” e “Ontem”. Existem planos futuros nessa direção?
FM – Não como planos. No cinema você depende de muita mais gente, depende do ator, da equipe. Então pode ser frustrante quando alguma coisa dá errado e as vezes não é por sua causa. Em quadrinhos só depende de você. Eu posso fazer uma megaprodução sozinho. Eu escrevo, desenho, coloco quantos personagens eu quiser e tenho o orçamento ilimitado da minha imaginação. Essa criação sem limites precisaria de um orçamento grande para fazer no cinema. Então para nós é muito mais satisfatório fazer quadrinhos.

Anúncios

Sobre MaoDita
Mais um teste

7 Responses to Uma lua no céu, 10 pãezinhos na mesa pt. 2

  1. Larissa Cruz says:

    Conheci o trabalho do Moon e do Bá há uns três anos atrás quando li Críticas. Desde então leio sempre tudo o que surge, tenho quase todos :). Amante dos quadrinhos desse dois irmãos (não só deles, claro, mas também de muitas outras obras) simplesmente fiquei sem palavras ao vê-los passando em frente ao Teatro Amazonas, em plena tarde de sábado. Devido ao inesperado encontro, fiquei sem o autógrafo por não ter alguma das hqs em mãos, mas me rendeu uma linda foto (http://farm6.static.flickr.com/5189/5628724416_2c570dc5cd.jpg) e uma caminhada ao lado de ambos numa conversa informal e gostosa pelas ruas quase vazias de um sábado à tarde dessa nossa Manaus.
    Parabéns pela matéria (estou no aguardo da parte 3 hehe) e, assim como eu adorei conhecê-los, creio que “a pequena jovem equipe do Maodita” também gostou do encontro.

    • Dirce Quintino says:

      Valeu Larissa! Acho que a visita dos gêmeos pegou muito fã de surpresa na cidade. Ainda bem que conseguimos a entrevista, pois assim todos esses fãs que não tiveram a oportunidade de ter suas HQs autografadas ou conhecê-los pessoalmente, puderam ter um pouco da felicidade que tivemos ao conversar com eles.

  2. Wilsa Freire says:

    Dirce, sou amiga da Larissa, que deixou um recado aqui também, e sou a pessoa atrás da câmera na hora em que os gêmeos passaram no Largo de São Sebastião. A Lari é fã de carteirinha e, confesso, que passei a curtir os dois irmãos a partir da entrevista neste blog que, aliás, também gostei muito. Parabéns pelo trabalho de vocês. Muito legal mesmo! (imagina, eles gostam e leram Milton Hatoum… me passei 😉

    • Dirce Quintino says:

      Obrigada Wilsa! Muito bom saber que você se interessou pelo trabalho dos gêmeos a partir dessa entrevista.

  3. Giovanna Consentini says:

    Valeu pelos comentários galera. Toda a equipe fica muito feliz em saber que gostaram do trabalho. Até a parte 3 ! 😀

  4. xcaboquinho says:

    Deve ter sido massa trocar uma idéia com os caras.
    Parabéns pela entrevista!

  5. Pingback: Maodita

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: